A Lei de Cotas e o valor de si mesmo

A Lei de Cotas completa 21 anos hoje. Queremos aproveitar a ocasião para falar sobre duas dimensões sobre as quais seus efeitos se fazem presentes: (1) a dimensão do valor de si mesmo e do trabalho, no que diz respeito a uma sociedade democrática, e (2) a dimensão do valor de si mesmo para a pessoa com deficiência como sujeito produtivo.

Do ponto de vista da democracia, a Lei de Cotas faz parte de um conjunto de medidas governamentais de caráter compensatório em favor de grupos mais vulneráveis. Como diz José Carlos do Carmo, “A razão dessa e de outras ações afirmativas implementadas pelo governo é corrigir defasagens histórico-culturais e zelar para que os cidadãos tenham seus direitos fundamentais garantidos” (2011, p. 33).

Sob este aspecto, a Lei de Cotas é uma medida de construção e renovação cultural, pois visa alterar a situação atual em direção a um equilíbrio, uma situação mais justa. Com esta intenção, espera-se superar os baixos níveis de contratação de pessoas com deficiência pelas empresas. Historicamente, “Os empregadores se eximiam de responsabilidade para com esse público, culpando o governo por não resolver a equação: acesso à educação + boa formação = oportunidade de emprego (…). Hoje, no entanto, reconhece-se que essa obrigação não se esgota nas estatais, pois os princípios da equidade e igualdade têm caráter horizontal e estendem-se às relações particulares. Assim, toda sociedade é responsável por favorecer a concretização dos direitos fundamentais do cidadão” (ibid., p. 34 e 35).

Ao mesmo tempo em que a Lei de Cotas renova uma cultura, ela restaura o valor da pessoa para ela mesma. A ninguém é permitido escolher em que condição virá ao mundo. Portanto, não é justo que uma parcela da população seja prejudicada por conta de fatores (sociais, culturais, econômicos ou físicos) que estão fora de seu controle. Neste sentido, a Lei de Cotas atua construindo um sentido de justiça equitativa, permitindo que a pessoa com deficiência tenha acesso ao trabalho, um direito fundamental previsto na Constituição Federal. A construção de uma sociedade democrática passa pela equidade dessa justiça distributiva que remodela uma cultura antiquada enquanto cria oportunidade de restauração do valor de si mesmo para o sujeito deficiente.

Ou seja, não se trata apenas da igualdade, no sentido de “o meu direito é igual ao direito do outro”, mas de equidade, isto é, o pensamento de que é justo favorecer certos grupos mais vulneráveis da sociedade. Este postulado evita que aqueles que não podem compartilhar do quinhão mais produtivo da sociedade sintam-se excluídos, abrindo a possibilidade para que possam desenvolver um senso de justiça próprio. Em outros termos, a saúde de uma democracia depende, em grande medida, de que seja dado um suporte institucional para que essas pessoas desenvolvam um sentido de respeito por si próprio. E isso se dá através do trabalho, através da inclusão e da participação do sujeito nos processos produtivos.

Apesar do pluralismo moral das sociedades contemporâneas, todos temos o mesmo valor intrínseco: não existe melhor forma de equilibrar as exigências conflitantes entre liberdade e igualdade do que desconstruindo a cultura da exclusão. Testemunhar uma pessoa resgatando o valor de si mesma através da inclusão no mercado de trabalho e do acesso pleno aos bens comuns é participar do resgate do valor integral da comunidade, e assim experimentar a renovação dos nossos próprios valores.

Anúncios

Olimpíada da Pessoa Deficiente – Olimpede

Prezados amigos,

De 21 de setembro de 2012 a 24 de setembro de 2012 acontecerá, em Volta Redonda-RJ, a Olimpede, evento esportivo nacional que reunirá atletas com deficiências durante quatro dias, e contará com a presença de convidados ilustres como Zico, Lars Grael e Thiago Pereira.

As inscrições ficarão abertas até o dia 03 de agosto e poderão ser feitas através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SMEL) de Volta Redonda, pelo telefone (24) 3339-2465, das 8h às 12h e das 14h às 18h, de segunda a sexta.

Mais informações pelo site: <http://www.portalvr.com/olimped/mod/home/>

Os gatos de Loius Wain

Prezados amigos,

Defendemos abertamente a ideia de que a inclusão da diferença é um trabalho fundamental e necessário para construirmos uma sociedade mais saudável e equilibrada. Hoje nos lembramos de Louis Willian Wain para demonstrar isso.

Wain nasceu e morreu em Londres (15 de agosto de 1860 a 4 de julho de 1939) e ficou conhecido por suas pinturas de gatos. No início da carreira suas pinturas eram bastante realísticas (como na ilustração ao lado). Aos 26 anos Wain começa a pintar gatos cada vez mais antropomorfizados, chegando a desenhá-los com roupas, de pé, ou com expressões faciais humanas. A partir daí seu trabalho ganhou popularidade e Wain chegou a ilustrar cerca de cem livros infantis. Seu trabalho aparecia com frequência em revistas, cartões postais e hoje suas pinturas são bastante disputadas.

Wain sofreu de uma esquizofrenia tardia, que teve início por volta dos 57 anos. Acredita-se que fora vítima da toxoplasmose transmitida pelos gatos, doença que pode comprometer o sistema nervoso. Porém, a partir daí suas pinturas ganharam contornos inusitados e seu trabalho progrediu em termos criativos (como no desenho ao lado). Existem teorias de que os trabalhos desta fase refletem sua condição mental, pois retratam aspectos da esquizofrenia.
Louis Wain passou os últimos quinze anos de sua vida em paz e cercado por gatos, internado em instituições psiquiátricas.

A beleza dos trabalhos da última fase de sua vida é emblemática e serve para nos lembrar que pessoas com transtornos mentais podem contribuir positivamente em nossas vidas com seu trabalho e sua criatividade.

Em homenagem a Louis Wain, inauguramos, hoje, uma nova imagem de cabeçalho em nosso blog, que traz algumas de suas gravuras de gatos.

Mostra comemora 50 anos de Psicologia no Brasil

Prezados amigos,

Hoje aproveitamos para divulgar um grande evento organizado pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP), que acontecerá de 20 a 22 de setembro de 2012 em São Paulo.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site: <http://mostra.cfp.org.br>

Segue uma transcrição do site:

“A 2ª Mostra:

Esta 2ª Mostra de Práticas faz parte das comemorações dos 50 anos da Psicologia como profissão no Brasil. Ela vai ocorrer doze anos depois da 1ª Mostra (Psicologia e Compromisso Social), evento que foi um marco no processo de autoreconhecimento da riqueza, grandeza e diversidade da atuação dos psicólogos brasileiros.

Desta vez a programação irá além da apresentação de práticas profissionais. Haverá espaço para que psicólogas e psicólogos debatam seu trabalho e possam criar articulações para seguir fortalecendo as diferentes áreas em que atuam.

Vamos comemorar os cinquenta anos da Psicologia apresentando e conhecendo a riqueza da contribuição da nossa profissão para o desenvolvimento social.

A 2ª Mostra será um grande espaço de intercâmbio sobre as práticas que estão sendo construídas e validadas todos os dias pelas psicólogas e psicólogos de todo o Brasil.”

Assista o vídeo de apresentação do evento (1min 37seg): <http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/2012_03_20_ii_mostra/2012_03_20_ii_mostra.html>