Invertendo o sinal

Por: Marta Gil*

Viagens espaciais, corridas de automóvel e até mesmo guerras frequentemente têm desdobramentos considerados benéficos para a sociedade, de novos medicamentos a pneus mais resistentes ou combustíveis de maior rendimento.

Esses “subprodutos” nem sempre justificam a realização dos eventos – especialmente as guerras – mas contribuem para mitigar (para usar um verbo da moda) os fantásticos custos que demandam. Eles trazem ganhos para um número de pessoas bem maior do que os envolvidos (ou atingidos) de forma direta.

Há muito me pergunto: E na área da deficiência, será que isso também acontece? O que foi desenvolvido nessa área que trouxe benefícios para a coletividade?

igualdade perante a lei

Não me ocorria nenhum exemplo marcante, até ler o excelente artigo “Acessibilidade para a segurança de todas as pessoas[1], de Izabel Maior e sua versão resumida, de igual excelência, escrita por ela e Andrei Bastos, “Mobilidade vital[2]. O artigo foi escrito – me atrevo a dizer “inspirado” pela tragédia ocorrida na cidade de Santa Maria, RS, na madrugada do dia 27 de janeiro, quando 241 jovens perderam suas vidas de forma dramática e até então inimaginável, num país onde consideramos que Deus é brasileiro – como se isso nos eximisse de qualquer responsabilidade…

O artigo fala do Decreto 5.296/2004, que estabelece normas detalhadas sobre a acessibilidade, entendida em sentido amplo. Embora esteja em vigor há 8 anos, é pouco conhecido por arquitetos, engenheiros, seus respectivos Conselhos Profissionais, por órgãos de fiscalização de obras, profissionais da área de segurança e prevenção de acidentes e por cursos de formação técnica e universitária.

Suas recomendações em geral não são cumpridas na construção ou na reforma e nem são objeto de fiscalização, como recomendado.

Boate_Kiss_2013_02_04__11A ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por sua vez, tem uma norma específica sobre acessibilidade, a 9050, que é periodicamente revista, atualizada e ampliada, com a participação de diversos segmentos da sociedade civil, incluindo pessoas com deficiência.

Ou seja: o marco legal e conceitual existe, é de qualidade, mas lamentavelmente não é respeitado. No caso da boate Kiss, como Izabel Maior e Andrei Bastos sublinham, nem uma destas normas foi cumprida. O resultado é o que sabemos.

Se a lei tivesse sido obedecida, muito provavelmente a dimensão da tragédia teria sido menor – embora não menos triste. Como o artigo “Mobilidade vital” sintetiza: “Onde passa um cadeirante, passa qualquer um”.

Se a lei tivesse sido obedecida, haveria sinalização de diversas formas, passagens largas e desimpedidas – até porque para a aprovação ou licenciamento ou emissão de certificado de conclusão de projeto arquitetônico ou urbanístico deverá ser atestado o atendimento às regras de acessibilidade previstas nas normas técnicas de acessibilidade da ABNT, na legislação específica e neste Decreto (capítulo IV, Seção 1, art. 11, § 2.o).

Em minha opinião, esse conjunto de normas e procedimentos, com base legal, que garantem acessibilidade e segurança PARA TODOS é uma significativa contribuição do segmento das pessoas com deficiência para a sociedade.

Ziraldo MaluquinhoConstruir esse corpo conceitual e jurídico levou tempo, suor e lágrimas. Ele veio do enfrentamento diário dos 1001 obstáculos que pessoas com todos os tipos de deficiência enfrentaram (e ainda enfrentam). Representa a somatória de inúmeros esbarrões em galhos de árvore, orelhões, equipamentos urbanos colocados aleatoriamente e sem sinalização de alerta, tombos e atropelamentos, porque calçadas nem sempre podem ser utilizadas por cadeirantes. Isso sem esquecer o transporte público que não é exatamente “público” porque não atende a todos, a ausência de infraestrutura acessível em aeroportos, cais, estações rodoviárias e por aí vai.

Depois de compilar essas vivências e ordená-las sob forma de projetos de leis, de decretos, Normas Técnicas a batalha seguinte foi levá-las ao Poder Legislativo e convencê-los da necessidade de irem a votação.

Ganho o segundo round, com a aprovação de leis e decretos, contamos com o importantíssimo reforço da CDPD – Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada (2008) e promulgada (2009) pelo Brasil com a equivalência e força de artigo constitucional.

Agora é hora de divulgar intensamente estas ferramentas, até mesmo para honrar a memória dos jovens que perderam sua vida em Santa Maria, para que nunca mais nada semelhante aconteça, nem aqui e nem em outro país. Já temos “régua e compasso”, como diz a canção.

E a inversão do sinal, lá do título?

Bem, durante séculos a sociedade se acostumou a ver as pessoas com deficiência como seres dignos de piedade, que precisavam ser cuidados, por toda a sua vida. Quantos bingos, jantares beneficentes, rifas foram feitos em seu benefício… e com a melhor das intenções, sem dúvida nenhuma. As pessoas com deficiência, vistas como frágeis, incapazes, desamparadas, demandavam atenção e recursos ininterruptamente.

Ziraldo Maluquinho 2A partir da década de 90 do século 20 essa concepção passa por uma mudança radical, com o paradigma da Inclusão, que traz os conceitos de Cidadania, Acessibilidade, Vida Independente. Recursos de Tecnologia Assistiva possibilitam sua participação na escola, no trabalho, na vida social. Pessoas com deficiência começam a ser vistas no dia-a-dia.

A Convenção insere o tema da Deficiência no patamar dos Direitos Humanos, apontando a direção a seguir e garantindo conquistas. O tempo do assistencialismo – que foi importante para garantir sua sobrevivência – começa a ficar para trás.

De incapazes, as pessoas com deficiência passam a ocupar seu espaço de indivíduos com direitos – e que têm muitas e muitas contribuições a trazer para a sociedade, como o conceito de Acessibilidade e seu corolário, o Desenho Universal:

Uma forma de conceber produtos, meios de comunicação e ambientes para serem utilizados por todas as pessoas, o maior tempo possível, sem a necessidade de adaptação, beneficiando pessoas de todas as idades e capacidades

Depois de séculos, o sinal finalmente começa a ser invertido: de quem só “tinha a receber e humildemente agradecer” para quem tem o que aportar, ombro a ombro com os demais, para a construção de uma sociedade solidária, com segurança e dignidade para todos.

*Marta Gil – consultora na área da Inclusão de Pessoas com Deficiência, socióloga, Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, Fellow da Ashoka Empreendedores Sociais, colaboradora do Planeta Educação e colunista da Revista Reação.

Autora do livro “Caminhos da Inclusão – a trajetória da formação profissional de pessoas com deficiência no SENAI-SP” (Editora SENAI, 2012), organizou livros; tem artigos publicados; participa de eventos no Brasil e no exterior. Áreas de competência: Inclusão na Educação e no Trabalho.

Anúncios

Agregando notícias #9

Leis serão alteradas para ajuste à Convenção Internacional

Uma boa notícia e um bom precedente. A terminologia de quatro leis pode ser alterada para ajuste à Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, deixando de utilizar o termo “Pessoa Portadora de Deficiência” e adotando “Pessoa com Deficiência.

As leis que serão revistas são as Leis nºs 8.989/95, que regula a isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na compra de veículos por pessoas com deficiência; a 9.503/97, que institui o Código de Trânsito Brasileiro; a 10.048/00, que confere as prioridades de atendimento; e a Lei nº 10.098/00 que estabelece as normas de acessibilidade para pessoas portadoras (sic) de deficiência.

acessibilidadeEste processo de mudança representa um grande avanço. Como sabemos, a vida e os direitos das pessoas são realmente afetados pela maneira como a lei é redigida. Não se trata de um preciosismo teminológico. É o que vimos no post Quem a Lei de Cotas inclui?, de 31 de maio de 2012, no qual comentávamos o artigo de Ana Maria Machado da Costa.

O que a autora defende em seu artigo é a inclusão das pessoas com transtornos mentais nas cotas para empregos nas empresas, relativas ao Artigo 93 da Lei 8.213/91. Neste sentido, se houvesse, além das mudanças propostas, a adequação do Decreto nº 5.296/04 às novas terminologias propostas pela Convenção Internacional, o Brasil daria um passo pioneiro na inclusão social de pessoas através do trabalho. Isto significaria a adoção, segundo a definição da Convenção, do termo “deficiência intelectual” separadamente do termo “deficiência mental”. Esta distinção permitiria acesso de muitas pessoas com transtornos mentais ao mercado formal de trabalho através da Lei de Cotas, pois segundo este entendimento, as barreiras sociais e atitudinais impostas ao indivíduo também são determinantes da deficiência.

Por enquanto a adequação terminológica não é tão profunda, mas como dissemos a mudança abre um precedente importante que deve ser aprimorada tão logo seja possível.

Para ler o artigo de Ana Maria Machado da Costa, acesse: <http://www.redeagrega.com/#!artigos>

Malas fotografadas mostram os pertences de pacientes psiquiátricos

As malas foram descobertas no Centro Psiquiátrico de Willard, no Estado de Nova Iorque, e perteceram a pessoas que foram internadas entre o início do século XX e a década de 1960.

Willard Asylum Suitcases - 2012 Jon CrispinQuando o Estado fechou o hospital, em 1995, muitas coisas foram descobertas, entre elas as malas que o fotógrafo Jon Crispin está documentando. O resultado do trabalho é a construção de um acervo que já esteve em exibição em alguns museus dos Estados Unidos e que você também pode ver, através do blog do fotógrafo na página: <http://joncrispin.wordpress.com/tag/willard-suitcases/>

Mais informações: <http://www.hypeness.com.br/2013/02/serie-de-fotos-mostra-o-que-pacientes-hospital-psiquiatrico-levavam-na-mala/>

Cidades litorâneas entram na onda da praia com acessibilidade

praiaacessivel3Depois que um projeto em Fernando de Noronha fez sucesso, parece que a moda da acessibilidade nas praias resolveu pegar. Praias do Rio de Janeiro, Bertioga, Guarujá, Mongaguá, Itanhaém e de Santos também adotaram medidas para tornar o lazer nas praias acessível para as pessoas com deficiência. Vamos ficar de olho para ver se os governos manterão o projeto nos próximos verões.

Enquanto isso, a ONG Projeto Caravela desenvolveu, durante o mês de janeiro, um projeto para que pessoas com deficiências participassem de passeios em trilhas subaquáticas na Ilha Anchieta, litoral norte do Estado de São Paulo.

São Paulo amplia isenção de imposto para carros de Pessoas com Deficiências

Os motoristas que dirigem para pessoas com deficiência e pessoas com autismo serão beneficiados com a isenção do pagamento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) da venda de carros zero quilômetro no valor de até R$ 70 mil. Até então, a isenção contemplava apenas pessoas com deficiência capazes de dirigir o próprio veículo.

Segundo Cristiano Gomes, diretor de projetos da Laramara, Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual, em entrevista ao Diário de S.Paulo, “A mudança é um grande avanço porque principalmente os jovens com deficiência dependiam exclusivamente do transporte público. Com a isenção, a família pode comprar um veículo e esse jovem poderá ir ao cinema ou ao teatro com maior comodidade”.

Até três condutores podem ser indicados para dirigir o veículo, que deve ser registrado no Detran em nome da Pessoa com Deficiência. Para pedir a isenção é preciso ir até uma unidade da Secretaria Estadual da Fazenda e levar o laudo médico que comprova a deficiência ou autismo, além de comprovante de renda compatível com o valor do carro e cópia das habilitações dos condutores.

Agregando notícias #8

GRANDE NOTÍCIA:
Benefícios para pessoas com deficiência agora contemplam pessoas com autismo

Uma nova lei, a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, assegura novos direitos às pessoas com autismo, sobretudo nos serviços de saúde, educação, assistência social, nutrição, moradia, trabalho, previdência e também, no que diz respeito ao acesso ao mercado de trabalho.

JNA partir de agora, as pessoas com autismo podem compor as cotas para deficientes que nas vagas de trabalho que as empresas precisam reservar para o cumprimento da Lei de Cotas (Lei nº 8.213/91). Em seu Artigo 1º, Parágrafo 2º, a nova lei diz “A pessoa
com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência, para
todos os efeitos legais”.

Esta notícia é importante porque a nova lei representa um grande avanço no reconhecimento dos direitos das pessoas com algum tipo de transtorno mental.

Veja o vídeo e leia a reportagem do Jornal Nacional em: <http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/01/lei-equipara-pessoas-com-algum-tipo-de-autismo-aquelas-com-deficiencia.html>

Empresas inclusivas ganham benefícios com novo acordo

Um acordo firmado em dezembro de 2012, entre a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo (SRTE/SP), o Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga) e o Sindicato dos Comerciários de São Paulo, vem facilitando a inclusão de pessoas com deficiências no mercado de trabalho.

As empresas que precisam cumprir a Lei de Cotas passam, com este acordo, a trabalhar com prazos e metas, facilitando o trabalho de inclusão e evitando multas. “A partir da assinatura, os prazos serão: 30% da cota em 6 meses; 60% em 12 meses; 80% em 18 meses e 100% da cota em até dois anos”.

A contrapartida vem em forma de capacitação profissional das pessoas com deficiências que trabalharão nas próprias empresas, além de atendimento às necessidades de acessibilidade para que o trabalhador possa desempenhas as suas funções.

Além disso, “O acordo também prevê a troca de informações sobre vagas disponíveis e cadastro de currículos, ampliando as condições de captação da mão de obra”.

Leia a reportagem na íntegra na Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, em: <http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI330505-17180,00.html>

Fernando de Noronha acessível

NoronhaA acessibilidade chegou em Fernando de Noronha. Recentemente, o governo do estado de Pernambuco anunciou a conclusão da construção de uma trilha acessível até a praia do Sueste. Além disso, a praia também foi equipada com cadeiras anfíbias, banheiros acessíveis e esteiras para acesso dos cadeirantes ao mar e conta com monitores treinados para auxiliar o mergulho das pessoas com deficiência.

Além do Sueste, há estudos para viabilizar acessos em outras três praias de Noronha. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, “Dentro do Parque Nacional Marinho, administrado pela concessionária Econoronha, (…) foram construídos 4.500 metros de trilhas que podem ser vencidas por um cadeirante e que levam à contemplação de símbolos do arquipélago como o Morro Dois Irmãos e ao ponto de apreciação de golfinhos”.

Veja a reportagem completa em: <http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1226608-fernando-de-noronha-faz-mudancas-para-ser-acessivel-a-turistas-com-deficiencia.shtml>.

Cadeirantes com mais mobilidade nos aviões

Skycare ChairCriada por Brian Liang, um estudante de desenho industrial, a Skycare Chair promete resolver alguns embaraços que os cadeirantes sofrem quando desejam fazer uma viagem aérea.

A cadeira de rodas para uso em aeronaves possui uma alavanca de controle frontal e por isso é mais estreita do que as cadeiras convencionais. Além disso, não possui braços (o que facilita a transferência do usuário entre a cadeira e os assentos) e pode ser armazenada nos compartimentos de bagagem.

Mais informações, acesse: <http://turismoadaptado.wordpress.com/2013/02/07/cadeira-de-rodas-especial-para-utilizacao-de-forma-independente-a-bordo-de-aeronaves/>

Qualificação profissional para pessoas com deficiências

Está sendo estudada a possibilidade de formalização de convênio para criação de cursos de qualificação profissional para pessoas com deficiências. Os envolvidos são o Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo (SindusCon-SP) e a unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Itu (SP), uma unidade conhecida pela inovação no trabalho de acessibilidade. O objetivo é “criar uma metodologia de ensino e um calendário de cursos (…). Há ainda a possibilidade de treinar multiplicadores, que poderão disseminar pelo Estado os ensinamentos que adquirirem.” Estamos na torcida.

Fonte: <http://www.piniweb.com.br/construcao/carreira-exercicio-profissional-entidades/programa-promove-qualificacao-de-pessoas-com-deficiencia-277715-1.asp>

Botos da Amazônia ajudam na terapia de crianças com deficiências

bototerapiaA bototerapia, como é chamada, se propõe a levar os jovens com deficiências para interagirem com os botos, parentes dos golfinhos que habitam rios da Amazônia. O objetivo é ajudar a melhorar a autoestima desses jovens e funciona como complemento às terapias tradicionais.

Além disso, a atividade é de baixo impacto ambiental e ajuda na conscientização da importância da preservação do meio ambiente.

Mais informações: <http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/08/terapia-com-botos-ajuda-tratar-criancas-deficientes-na-amazonia.html>

Crianças com autismo podem apresentar melhoras significativas, diz estudo

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos estudou 34 crianças diagnosticadas com autismo e observou que os sintomas destes indivíduos desapareceram quando eles atingiram a idade adulta.

A pesquisa foi financiada pelo Instituto Americano de Saúde Mental e, segundo Thomas Insel, diretor do Instituto, “Embora o autismo geralmente persista durante toda a vida, esta descoberta permite pensar que esta síndrome poderia experimentar evoluções muito diversas”. Entretanto, os mecanismos do autismo ainda são pouco conhecidos e novas pesquisas são necessárias para ajudar a determinar os fatores que determinam a evolução do quadro, assim como a persistência de certos sintomas em algumas pessoas.

Fonte: <http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2013/01/21/internas_cienciaesaude,419092/sintomas-de-autismo-desaparecem-em-algumas-criancas-quando-elas-crescem.shtml>

Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

14133_329799567127804_126386237_nO dia internacional das pessoas com deficiência (3 de dezembro) é uma data comemorativa internacional promovida pelas Nações Unidas desde 1998, com o objetivo de promover uma maior compreensão sobre os assuntos concernentes à deficiência e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem estar das pessoas. Procura também aumentar a consciência dos benefícios trazidos pela integração das pessoas com deficiência em cada aspecto da vida política, social, econômica e cultural. A cada ano o tema deste dia é baseado no objetivo do exercício pleno dos direitos humanos e da participação na sociedade, estabelecido pelo Programa Mundial de Ação a respeito das pessoas com deficiência, adotado pela Assembleia Geral da ONU em 1982.

O Secretário-geral das Nações Unidas publicou uma mensagem sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiências, disponível em inglês através do endereço: <http://www.un.org/disabilities/documents/idpd/idpd2012_sg_message.doc>

Qualificação de mão de obra é tema de fórum organizado pela FIESP

Acontece na próxima terça-feira, dia 2 de outubro, o “Fórum Capital Humano – Ferramentas de Desenvolvimento e Competitividade” que traz, entre outros temas, a “Aprendizagem Industrial e Inclusão de Pessoas com Deficiência“.

Estarão presentes especialistas das escolas Sesi-SP/Senai-SP, da ABRH-SP e representantes de diversos setores da indústria nacional. O Fórum faz parte das ações que integram o “Projeto Capital Humano”, elaborado pela FIESP, cujo propósito é evidenciar a importância da gestão do capital humano e discutir temas relacionados à formação de mão de obra. Dentre as iniciativas do “Projeto Capital Humano”, destacamos o “Projeto Sou Capaz”, criado “a fim de tratar de temas específicos associados à promoção do capital humano, contemplando a Lei de Cotas: Aprendiz e Pessoas com Deficiências.

O evento é gratuito e as vagas são limitadas. As inscrições podem ser feitas através da página: <http://www2.fiesp.com.br/agenda/forum-capital-humano/>.

Local: Teatro do Sesi; Avenida Paulista, 1313 – São Paulo, SP
Horário: das 8h às 17h.

Agregando notícias #2

Hospital Psiquiátrico de Sorocaba é investigado

O Ministério Público do Estado de São Paulo e a Polícia Civil investigam o Hospital Psiquiátrico Vera Cruz, em Sorocaba, pela prática de tortura, maus tratos e cárcere privado. As denúncias são preocupantes e estão sendo apuradas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado e pela Delegacia Antissequestro. A instituição foi interditada no dia 23 de agosto pelo Ministério da Saúde, pela Vigilância Sanitária e pela Secretaria Estadual da Saúde. A situação dos 450 pacientes que vivem no Hospital Vera Cruz tornou-se pública após a exibição do programa Conexão Repórter, no dia 22 de agosto.

Além disso, o Hospital Psiquiátrico Jardim das Acácias, com 136 pacientes, também deverá ser fechado em breve. Segundo Adriana Caldeira, representante do Ministério da Saúde, o fechamento dos dois hospitais e o encaminhamento dos pacientes contará com a colaboração do Governo Federal será acompanhado de perto para garantir que essas pessoas sejam bem atendidas.

Para assistir ao Conexão Repórter, acesse: <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/08/26/sbt-mostra-quadro-de-abandono-e-violencia-em-manicomio-de-sorocaba-sp.htm>

Para saber mais: <http://portal.cruzeirodosul.inf.br/acessarmateria.jsf?id=420047>

Qualificação profissional para pessoas com deficiência

O Senado Federal aprovou um projeto de lei que prevê a reserva, para pessoas com deficiências, de 10% das vagas em programas e ações de qualificação profissional financiados pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O projeto de lei segue para votação na Câmara.

Fonte: <http://invertia.terra.com.br/terra-da-diversidade/noticias/0,,OI6148730-EI17840,00-Senado+deficientes+terao+cota+em+qualificacao+profissional.html>

2ª Mostra de Práticas em Psicologia

Acontece em São Paulo, de quinta a sábado (de 20 a 22 de setembro, das 9h às 18h30min), a 2ª Mostra de Práticas em Psicologia. Organizada pelo Conselho Federal e pelos Conselhos Regionais de Psicologia, a mostra vai reunir cerca de 25 mil psicólogos de todo o Brasil no Parque Anhembi.

Veja a programação completa em: <http://mostra.cfp.org.br/>

Governo promete o melhor centro de treinamento paraolímpico do mundo

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o ministro do Esporte, Sr. Aldo Rebelo, teria prometido, durante o lançamento do programa Brasil Medalhas 2016, construir um importante centro de treinamento paraolímpico. Segundo o ministro, será o melhor centro de treinamentos paraolímpicos do mundo e a verba para a construção virá do programa recém lançado, que deve investir R$ 2,5 bilhões no esporte Olímpico até 2016. Vamos ficar de olho!

Fonte: <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,dilma-espera-que-programa-leve-pais-a-potencia-esportiva-,930458,0.htm>

Um filme divertido sobre as diferenças

Imagem do filme Amigos Improváveis“Intouchables” (“Intocáveis”, em português) é uma produção francesa de 2011 que conta a história de Philippe (François Cluzet), um milionário que, em razão de um acidente de parapente, fica tetraplégico e passa a necessitar de cuidados exclusivos. Busca, então, um enfermeiro para acompanhá-lo, mas ninguém consegue durar mais do que duas semanas no emprego. Philippe entrevista os mais qualificados profissionais do mercado, mas escolhe Driss (Omar Sy, vencedor do César 2011 como melhor ator por este papel), um ex-presidiário sem qualificação que só entrara no processo seletivo a fim de provar ao governo que está em busca de recolocação profissional, para manter a sua condicional. Recorde de bilheteria na França em 2011, com cerca de 30 milhões de espectadores, o filme foi muito premiado e tem uma excelente trilha sonora.

“Amigos Improváveis” não é interessante pelas questões da deficiência, mas pelas questões humanas. Não é um filme politicamente correto e nem tampouco incorreto; é um filme delicado e divertido… muito divertido! Trata do quase sempre bem-sucedido encontro de pessoas diferentes e, sobretudo, fala do tipo de amizade que pode surgir destes encontros.

Imagem do filme IntouchablesBaseado em uma história real, recomendamos ao nosso prezado leitor que não deixe de assistir “Amigos Improváveis”, não porque conta sobre a vida de uma pessoa que não consegue mover ou sentir nada abaixo do pescoço, ou pela questão das minorias, mas pelas boas risadas que o filme propicia, pelas lições de vida que podemos ter não apenas quando nos superamos, mas, sobretudo, quando nos abrimos a novas, e improváveis, amizades.

Trailer com legenda em português (1min 50seg): <http://www.youtube.com/watch?v=ljbDlsSTqIU>
Trailer oficial com legenda em inglês (2min 17seg): <http://www.youtube.com/watch?v=hsPHXVnt27g>

Ficha técnica:
Direção: Olivier Nakache e Eric Toledano
Elenco: François Cluzet, Omar Sy, Anne Le Ny, Audrey Fleurot, Clotilde Mollet, Alba Gaïa Kraghede Bellugi, Cyrril Mendy, Christian Ameri
Produção: Nicolas Duval-Adassovsky, Laurent Zeitoun, Yann Zenou
Roteiro: Olivier Nakache, Eric Toledano
Fotografia: Mathieu Vadepied
Trilha Sonora: Ludovico Einaudi
Duração: 112 min.